quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Alguns passos para manter o dinamismo intelectual




Interagir socialmente: Os seniores que interagem regularmente com amigos, familiares e a comunidade encontram-se menos suscetíveis a experienciar declínio cognitivo e podem experimentar um sentido mais profundo de bem-estar geral. Isto pode dever-se ao facto de a interação social permitir aos indivíduos lidar com o stresse de forma mais produtiva e de os seniores mais ativos socialmente tenderem a ser fisicamente mais ativos. Os seniores que não conseguem conduzir podem solicitar a ajuda de um elemento da família ou amigo para se deslocarem a oportunidades de sociabilização ou procurarem a assistência de cuidadores profissionais.

Atividade física: É comum referir o exercício físico como uma solução para a maioria das problemáticas que afetam a população em geral, e acontece que é igualmente uma forma de manter a mente ativa. Os seniores que não sejam fisicamente ativos devem consultar um médico ou especialista antes de iniciar um programa de exercício.

Acreditar nas competências próprias: Os cientistas não têm a certeza de qual o motivo que leva a confiança nas capacidade próprias a evitar o declínio mental, mas poderá estar relacionado com a capacidade de um indivíduo para manter uma perspetiva mais positiva relativamente à vida e ser capaz de mais rapidamente recuperar de adversidades. Isto poderá ajudar a tornar o indivíduo mais profundamente envolvido em atividades e a manter um interesse no que se encontra a fazer, o que por sua vez poderá desafiar o cérebro.

Apesar de algumas mudanças no cérebro serem normais à medida que envelhecemos, estas alterações não possuem sempre um impacto decisivo na vida dos seniores. Muitos seniores revelam uma acuidade mental semelhante à de jovens adultos. Ter um papel ativo em procurar manter a mente dinâmica pode ajudar os seniores a reduzir o risco de doenças neurológicas, tais como a demência e a viver de forma plena como intervenientes ativos nas suas comunidades.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Dicas para evitar a perda de capacidades cognitivas no Sénior




Um dos grandes receios de muitas pessoas relativamente ao envelhecimento é de perder faculdades mentais. Apesar de existirem algumas doenças e condições neurológicas sobre as quais não dispomos de qualquer controlo, existem algumas que são evitáveis através de alterações de estilos de vida e comportamentos. A boa notícia é que estas mudanças podem ser implementadas independentemente da idade da pessoa em questão. Os investigadores identificaram um conjunto de características que parecem poder ajudar a manter a acuidade mental de uma pessoa na sua senioridade.

Aprender e realizar exercícios mentais: Apesar de existir algum debate se o facto de resolver puzzles e outros desafios mentais possui algum impacto para evitar o declínio cognitivo, existe uma forte evidência que a aprendizagem a longo-prazo mantém o dinamismo do cérebro. A pesquisa demonstrou que o processo de aprendizagem mantém o cérebro mais rápido do que quando o conhecimento adquirido é mantido. Por outras palavras, o processo de aprendizagem é um processo de memorização. Por este motivo, aprender algo novo, tal como uma receita, e esquecer a mesmo a seguir não possui nenhum impacto significativo. Contudo, aprender a tocar um instrumento ou a fazer um arranjo no carro, e talvez até ensinar outros a fazê-lo, requer memorização e fortalece os circuitos do cérebro.

Possuir mais tempo de educação: Os indivíduos que possuem mais anos de educação formal correm um risco diminuído de declínio cognitivo que aqueles com menos anos de aprendizagem. A educação formal estimula processos lógicos no cérebro e cria conexões neste circuito. Este processo pode ajudar a compensar as mudanças ocorridas no cérebro com a idade. Adicionalmente, quem possui uma mais longa educação formal tende a adotar estilos de vida em geral mais saudáveis para o cérebro. Para os seniores que nunca tiveram a oportunidade de continuar os seus estudos, a aposentação pode ser a oportunidade para o fazer. Várias instituições de ensino e universidades seniores disponibilizam cursos com custos reduzidos ou grátis para seniores.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Manter os seniores saudáveis




Assegurar que os seniores recebem a nutrição certa é vital para que se mantenham ativos. Muitas doenças podem ser evitadas ou aliviadas através da uma nutrição adequada. Os seniores que têm dificuldade em saber o que e quanto comer devem consultar o seu médico. Uma alimentação adequada não significa que a comida tem de ser insossa ou aborrecida, e os médicos podem encaminhar os seniores para nutricionistas que podem fazer sugestões sobre refeições saudáveis e nutritivas. Os seniores que necessitam de ajuda na preparação de refeições podem obter ajuda de cuidadores, no sentido de os apoiar na compra de mercearia e na atividade de cozinhar. Os cuidadores profissionais podem ainda monitorizar o quê e quanta comida o sénior se encontra a consumir para o ajudar a seguir regimes alimentares prescritos.

Outras mudanças que o sénior pode fazer podem ser tão simples como desligar a televisão e socializar e desenvolver atividades que promovam o bem-estar mental. Interagir com os seus pares e família pode ajudar a afastar a depressão e a evitar que os seniores se isolem. Numerosos estudos têm mostrado que o isolamento social aumenta o risco do declínio cognitivo nos seniores e outros problemas de saúde, relacionados com a perda de autonomia. Modificar hábitos pouco saudáveis, tais como fumar ou beber em excesso, pode ainda prevenir doenças debilitantes nos seniores e a mantê-los saudáveis e independentes.
 
Adotar novos hábitos pode revelar-se mais fácil com apoio de quem se encontra próximo. Manter um programa de exercício físico é mais fácil quando os seniores desenvolvem estas atividades em conjunto, e é mais fácil receber a nutrição adequada quando as refeições são partilhadas. Os seniores que vivem sozinhos e que necessitam de ajuda com algumas atividades diárias podem contratar cuidadores profissionais para os apoiar a seguir planos de exercício e nutrição, bem como disponibilizar acompanhamento ao longo do dia.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Envelhecer bem e manter-se saudável




O truque para envelhecer bem não é propriamente um segredo: manter-se ativo, alimentar-se de forma saudável e evitar maus hábitos que possam facilitar o adoecimento ou que lhe retirem qualidade de vida. Se na teoria isto parece simples, na prática estes conselhos simples são difíceis de seguir para muitas pessoas. As pessoas formam hábitos ao longo das suas vidas que podem ser difíceis de modificar quando chegam à senioridade.

Infelizmente, os efeitos destes hábitos – inatividade, dieta pobre, fumar, etc – não são muitas vezes sentidos até um momento mais tardio. Mudar estes hábitos, contudo, pode ajudar os seniores a manterem-se saudáveis e autónomos ao longo da sua vida.

Uma das mudanças mais saudáveis que os seniores podem fazer para se manterem independentes é manterem-se ativos. Ser ativo e fisicamente são pode ajudar a fortalecer o indivíduo, ajudando a manter o equilíbrio e reduzir o risco de quedas. A atividade física facilita a mobilidade e a flexibilidade, ambos fatores críticos para uma vida independente. Exercícios de força não apenas desenvolvem os músculos mas também fortalecem os ossos e reduzem o risco de fraturas.
 
A atividade física geral é também um excelente meio para reduzir ou atrasar o risco de doenças crónicas, regular a pressão arterial e controlar o stresse. Os seniores devem ter a precaução de falar sobre este tema com o seu médico, antes de participar em qualquer atividade física. O médico pode recomendar atividades apropriadas para a sua idade e capacidade física e evitar ferimentos ou outras complicações.